Profissional raro

Uma empresa pequena, que esteja crescendo rapidamente, pode precisar de um presidente profissional, trazido do mercado, como exposto no post anterior. Contudo, deve tomar muito cuidado com a origem e a cultura do escolhido.

É óbvio que a contratação de um presidente profissional, para substituir o combalido empreendedor, deve ser realizada com todo o cuidado possível. O que não é tão óbvio é que existem excelentes profissionais que não combinam com a cultura de uma empresa pequena em crescimento acelerado, sofrendo com diversas restrições de orçamento e suporte, onde ainda não se estabeleceram mordomias e gorduras comuns em grandes organizações.

Executivos criados em grandes empresas, que trazem o costume de contar com as áreas de serviços (serviços compartilhados, por exemplo: secretárias, departamento de pessoal, jurídico, financeiro, TI, etc.), orçamentos amigáveis, larga oferta de mão-de-obra à disposição, e algumas regalias, podem ser ótimos em manipulações políticas, líderes competentes e até expoentes no mercado, mas isto não lhes garante sucesso, quando inseridos na cultura do “cobertor curto”, onde tudo é escasso, das empresas pequenas ou médias.

Portanto, empreendedor, note bem, o executivo profissional que vai te substituir é um sujeito muito raro.

Alexandre Ribenboim.