Governança é coisa séria

governancaResumidamente, a governança de uma empresa é o conjunto de regras que trata dos poderes de comando, das responsabilidades e limites estabelecidos para gestores e equipes. (Leia mais sobre governança em: http://pt.wikipedia.org/wiki/Governança_corporativa)

No nível mais alto, a governança descreve, entre outros aspectos, como são tomadas as principais decisões da empresa, quais garantias que os investidores têm que os objetivos que foram traçados para a empresa serão respeitados, como os ativos da empresa devem ser preservados, como os lucros devem ser distribuídos e como é feito controle de tudo isto. No nível mais operacional, a governança de uma empresa começa com o organograma e vai até a descrição da relação entre as diversas áreas da organização. Em alguns casos, encontram-se informações curiosas nos documentos de governança das empresas, tais como: quem tem direito a usar as mesas próximas da janela ou um refeitório especial.

Vou fazer a pergunta mais básica sobre a governança da sua empresa: vocês têm um organograma declarado e compreendido pelos funcionários? Pois muitas empresas pequenas e médias não têm.

Os principais erros de governança (ou da falta dela) que as pequenas e médias empresas cometem são:

Comando conflitante: os funcionários têm dois ou mais chefes – por exemplo, os funcionários recebem suas ordens de todos os sócios da empresa (mais ou menos como um filho que recebe educação dupla e conflitante dos seus pais).
Destruição da autoridade: os funcionários têm seus chefes (um gerente, por exemplo), mas os sócios ultrapassam o poder dos gerente e dão ordens diretas aos funcionários (qual é a moral que sobra para os gerentes depois disto?).
Ineficiência: os sócios não dividem as tarefas. Justamente as pessoas mais importantes para a empresa, que podem trazer os melhores resultados, normalmente as mais caras, são a raiz da ineficiência.
Falta de compromisso e responsabilidade: os sócios não têm poder de cobrança entre si, se um sócio não está trazendo resultados, não pode ser demitido e será carregado pela empresa como um passivo (até quando?).

Os sintomas para os problemas de governança são muitos: cansaço e desgaste na relação dos sócios e gestores, lentidão e retrabalho, equipes desmotivadas, perda de bons funcionários e gerentes, entre outros.

Basta a empresa ter mais de uma pessoa para que já seja necessária a definição clara de quem manda em quê, para que regras de governança sejam discutidas abertamente entre os gestores, decisões sejam tomadas e compromissos assumidos em prol da empresa, para torná-la mais eficiente, duradoura, competitiva e lucrativa.

Governança é coisa séria e pode fazer a maior diferença na sua empresa. Antes de se preocupar com o inimigo externo (competidores, carga tributária) preocupe-se com os internos.

Alexandre Ribenboim.