Empreendedores podem ser produzidos em laboratório?

O que os empreendedores precisam não é de um curso abstrato, desses que são ministrados nas escolas de negócios, mas sim de conhecimento prático e relevante.“,Vivek Wadhwa, TechCrunch.

Há alguns posts atrás, fiz esta mesma pergunta aplicada aos líderes: Líderes podem ser produzidos em laboratório?

Pois, este post (em inglês) do TechCrunch pergunta, e responde, se os empreendedores podem ser treinados ou, necessariamente, nascem com o gene do empreendedorismo.

A resposta segue os dados de uma pesquisa – “Anatomy of an Entrepreneur: Family Background and Motivation” que consultou 549 empreendedores de sucesso.

A pesquisa descobriu que 52% desses empreendedores são os primeiros a abrir um negócio na sua família mais próxima. Veja o gráfico que mostra os diversos percentuais. 39% tiveram seus pais como exemplo de empreendedor, e 7% suas mães deram o exemplo. Metade dos entrevistados nem pensava em empreender quando estava na escola. Veja o segundo gráfico, logo abaixo.

Os meus pais são funcionários públicos. Você há de concordar que, há poucas atividades menos empreendedoras que o funcionalismo público. No entanto, desde cedo, eu não pensava em outra coisa a não ser em abrir minha própria empresa.

Outro dado interessante da pesquisa mostra que educação superior é muito importante para os empreendedores que têm sucesso, no entanto, não importa muito se a universidade é uma das melhores do mundo, ou se é apenas uma boa universidade.

E, ainda, a pesquisa aponta que 69% dos empreendedores começaram suas empresas após 10 anos trabalhando para terceiros. O que indica que experiência profissional, antes de empreender, é importante. E, também, que nunca é tarde para começar.

Finalmente, o artigo afirma: “indivíduos altamente motivados com ‘ideias escaláveis’ (Nota: ideias de negócios que possam crescer, escalar no sentido de atingir um grande mercado) podem ser treinados para ser empreendedores e ter sucesso, basta incluí-los numa rede de outros empreendedores experientes, desenvolver fontes de financiamento e mentores.”

Mãos à obra, então.

Alexandre Ribenboim.